sábado, 21 de outubro de 2017

SACANAGEM

Jovem de Rondônia faz sucesso como modelo na Argentina; FOTOS

Aos 23 anos, a modelo Wanessa Emiliana já tem um currículo extenso como modelo. Moradora de Cacoal (RO), a jovem vem acumulando trabalhos internacionais nos 8 anos anos de carreira. Milão, Tóquio e Chile foram alguns dos lugares por onde ela passou, mas seus trabalhos mais famosos estão sendo feitos na Argentina.Resultado de imagem para foto da modelo Wanessa EmilianaResultado de imagem para foto da modelo Wanessa Emiliana

quinta-feira, 19 de outubro de 2017

O refúgio da esquerda

 

Denis Lerrer Rosenfield

A queda do Muro de Berlim foi uma linha divisória. O sonho esquerdista esvanecera, expondo o pesadelo que tinha engendrado. Talvez nenhum país mostre melhor o sucesso do capitalismo e o fracasso do socialismo. Enquanto a Alemanha Ocidental era uma amostra de um Estado de bem-estar social, com todas as liberdades garantidas, a Alemanha Oriental, dita democrática e socialista, obrigava seus cidadãos a compartilharem a penúria, sufocando todas as liberdades. Não eram propriamente cidadãos, mas súditos do Estado.

Podemos também comparar, a modo de exemplo, a próspera e capitalista Coreia do Sul, Estado democrático, com a totalitária e socialista Coreia do Norte, que vive da opressão de seus súditos, da fome, e aterroriza o planeta com suas armas nucleares. Ou se pense, ao nosso lado, na ditadura de Maduro e em seu apoio em Cuba e no PT, no Brasil. Esses parecem não ter nada aprendido com a História, embora, talvez como galhofa, queiram reivindicá-la.

Note-se que nem lhe sobrou a defesa dos pobres e do então dito proletariado, pois os Estados que mais conquistaram direitos sociais são os capitalistas, seja em suas vertentes social-democrata (países nórdicos), trabalhista (Grã-Bretanha) ou democrata-cristã (Itália e Alemanha). Aliás, neste último país o consenso era de tal ordem que a alternância entre os partidos cristãos e social-democrata em nada alterou, se não implementou, os ganhos sociais por todos reconhecidos. À esquerda não restou nem o social, salvo em sua face social-democrata, tida por direita pelos comunistas, socialistas e, entre nós, petistas.

Fracassada, a questão colocada à esquerda foi: onde refugiar-se? Parece não ter tido outra opção senão refugiar-se nos costumes, nos valores sociais ou em políticas ditas progressistas, que só mascaram seu próprio afã de uma nova hegemonia política. O politicamente correto é, nesse sentido, uma expressão dessa sua nova máscara, mais palatável para quem ignora ou compartilha todos os crimes perpetrados pela esquerda no poder. Entre nós, em experiência recentíssima, observamos o PT levar o País praticamente à bancarrota, não fosse, para evitar o pior, o impeachment da ex-presidente Dilma. Nem as conquistas sociais foram mantidas, com o desemprego avassalador e a inflação corroendo os salários dos mais desfavorecidos.

A esquerda fracassada procura, agora, reinventar-se. Escolheu para cavalo de batalha os que ela considera “conservadores”, em particular mira o MBL, por ter-se insurgido contra duas exposições, uma no Santander, em Porto Alegre, com imagens de zoofilia e pedofilia, e a outra no MAM, com mostra de um homem nu sendo tocado por uma criança. Para tentar capturar a classe média usa palavras como censura, arte e ditadura, numa sequência de bobagens capaz de atormentar qualquer pessoa sensata.

Foquemos a questão. O problema não está nas exposições em si, mas em crianças que se encontram face a face com situações de eroticidade precoce, incapazes que são, em sua idade, de juízos morais. Ficam expostas, vulneráveis. O que garante que uma criança que se acostume a tocar em homens nus não o faça com outro homem qualquer na rua ou que queira tocar seu órgão sexual? Seria a liberdade dos progressistas?

Que adultos apreciem tais tipos de eventos é meramente uma escolha pessoal, que deve, evidentemente, ser garantida. Se isso é “arte”, problema deles. Não há censura. Cada um escolhe suas visitas a exposições, assim como a forma que mais lhe parecer apropriada para desfrutar o sexo. Trata-se de uma questão individual de pessoas adultas no uso – ou desuso – de seu desejo e de sua razão. Outra coisa, muito diferente, é permitir ou obrigar uma criança a fazer o mesmo.

Na exposição do Santander, crianças eram levadas por escolas a visitar a exposição, como se se tratasse de algo pedagógico. Qual pedagogia? A da erotização das crianças? A de as impulsionar para relações sexuais precoces? A de considerar animais como objetos sexuais? Se isso for considerado liberdade, só pode ser em sua acepção muito particular de completa ausência de limites, conduzindo, depois, ao mais completo desregramento moral.

O que parece mais incomodar essa esquerda sem bússola, contudo, é o fato de estar perdendo a batalha pela opinião pública. Artistas desocupados ou que não têm o que dizer chegaram a falar em “ditadura”. Qual, aliás? A do Estado, que não se imiscuiu nesse assunto senão sob a forma de uma recomendação do Ministério Público para que a exposição em Porto Alegre fosse reaberta? O banco, sensatamente, teve juízo para não seguir essa “recomendação”. O que, na verdade, pretendem os prosadores da ditadura é que o Estado intervenha para defender as suas concepções. Pretendem implantar a ditadura do “progressismo” e do “politicamente correto”, enquanto formas compensatórias do fracasso de suas concepções esquerdistas.

O MBL, ao defender a ideia de que crianças não se submetam a essa ideologia, foi o seu alvo preferido. Não foi o Estado. Por quê? Pela simples e boa razão de que os autointitulados progressistas estão perdendo a luta pela conquista da opinião pública. Observe-se que não se trata de uma disputa entre sociedade e Estado, mas uma interna à própria sociedade. Um setor desta não suporta mais a “ditadura” do politicamente correto, que lhe é imposta goela abaixo. Decidiu dar um basta. E tem legitimidade para tal.

A onda dita conservadora no Brasil é uma reação a esses excessos e arbítrios. É como se não existisse a liberdade de escolha entre ser conservador, liberal ou “progressista”. Valeria somente esta última opção. Tudo o mais seria “ditadura”. Pretendem impor a sua hegemonia a uma sociedade que passou a rejeitá-los. Não podem mais suportar este outro fracasso. Estão desnorteados e vociferam. É a pobreza mesma do pensamento!


Rolim de Moura - COMTRAN e SEMMADU passam atender em novo endereço

 

 

A Coordenadoria municipal de Trânsito (COMTRAN) e Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Urbano (SEMMADU), estão atendendo em novo endereço. A nova sede está localizada aos fundos da Escola Estadual Cândido Portinari, na Avenida Florianópolis nº 5540 – Centro de Rolim de Moura (RO).
O horário de atendimento administrativo dos órgãos é das 07h 30min às 13h 30min, de segunda a sexta-feira e a fiscalização (Trânsito) dos Agentes do Comtran, de segunda a sexta-feira, das 7h 30min às 18h 30min e sábado das 8h às 13h.

O COMTRAN, atende: Interdição de Via Pública; Carreata; Utilização de Espaço Público; Corte de Asfalto; Credencial para Estacionamento Idoso e PNE; Fiscalização de Moto Taxi; Fiscalização de Transporte Coletivo; Fiscalização de Transito; Manutenção de Sinalização.
Recurso de Multas de Trânsito continuam sendo protocolados normalmente no setor de Protocolo no prédio da Prefeitura de Rolim de Moura e julgados pela Jari, não tendo ligação com a coordenadoria municipal de transito e suas Publicações, sempre divulgadas no Diário Oficial dos Municípios no site da AROM e Edital da Prefeitura. CONDEA e as reuniões acontecem no prédio da Prefeitura, conforme edital.

Já a SEMMADU, oferece:  Certidão Ambiental; Licenças Ambientais; Fiscalização Ambiental e o horário de atendimentos das fiscalizações Ambientais de segunda a sexta-feira, das 7h 30min às 18h.

Rolim de Moura – SEMAS realizou Caminhada em Defesa dos Direitos dos Idosos

 

Realizou-se


na manhã dessa quarta-feira, (12/10), a Caminhada em Defesa dos Direitos dos Idosos, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Assistência Social (SEMAS) de Rolim de Moura (RO), por meio do Centro de Convivência do Idoso (CCI). A caminhada iniciou no Espaço Alternativo e seguiu pela Avenida 25 de agosto até a rotatória central do município.

O Prefeito Luizão do Trento, a primeira dama Carla Schock e o vereador Alisson Ferreira, participaram do evento. Para o prefeito o movimento busca atenção para a forma como a sociedade trata o idoso. “Não queremos que as pessoas idosas sejam vistas como 'velhas', queremos que os nossos idosos sejam vistos como cidadãos de bem, que deram sua contribuição para a criação de seus familiares e também para o crescimento de nossa cidade”, destacou o Prefeito Luizão.

O vereador Alisson alerta sobre a necessidade de atenção e respeito da comunidade e familiares com a pessoa idosa. “O idoso em situação de dependência fica à mercê de seus familiares e, muitas vezes, seus direitos são violados dentro de sua própria casa, pelos seus entes queridos. Quando a gente fala em violência, é violência física, mental, social. Muitas vezes o idoso fica abandonado dentro de casa”, finalizou o parlamentar.

Segundo a Secretária de Assistência Social, Izabel Ferreira, a Caminhada faz parte da comemoração da semana do idoso que está com uma programação especial todas as quartas-feiras durante o mês de outubro.

quarta-feira, 18 de outubro de 2017

Dia do Médico e a prece sensível do nosso Rafael Holanda

 

Dia do Médico. 18 de Outubro.
 
Honra os médicos por seus serviços, pois também o médico foi criado por Deus. Ecle38-1

Hoje, no dia básico de quem viveu um pouco de sua vida na vigilância pela vida de muitos, venho num sentimento de tristeza pedir perdão.

Perdão pelas verbas desviadas, para gastos de campanhas e nos momentos críticos nos culpa.

Perdão por não ser capaz de resolver problemas simples e essenciais para população e enxergar a dor da tristeza por mortes que poderiam ser evitadas. 

Perdão pela fome que campeia nas periferias, e o gemido da desnutrição ecoa, mas não chega aos suntuosos, em decorrência do cinismo dos governantes. 

Perdão pelos péssimos salários pagos a comunidade médica em geral, pela deficiência dos ambulatórios, e pela falta de medicamentos básicos nas nossas farmácias. 

Perdão pela mentira distribuída de forma acintosa, levando ao sacrifício das noites frias, milhares de sacrificados para consultas rápidas e sem sentimentos de amor, pela demora de resultados de exames ou marcação, quando o retrato do pobre inocente se espelha em um atestado de óbito.

Perdão pelo negar de atendimentos em muitos hospitais, que não se sensibilizam pela morte na porta e deixam que muitos partam sem o devido acolhimento.

Perdão por ter sacrificado dias da nossa vida nas campanhas políticas, sonhando algo melhor, elegendo vereadores, prefeitos, governadores que após vitória perdem a sensibilidade e renegam as mais simples pretensões dos que sofrem. 
Perdão pelos nossos momentos de ansiedade, pela maneira às vezes indelicada que dirigimos aos pacientes frágeis sensíveis e carentes de atenção. 

Perdão pela lágrima derramada de tantos, pela falta de uma palavra a muitos que sairiam felizes pelo conforto de um abraço.

Perdão por colegas que se perderam no tempo por não aceitarem a desgraça imposta pelo regime odiento de políticos para com a população, e sucumbiram diante da mentira e stress pelo mínimo necessário e não encontrado. 

Perdão pelos que transformaram sua força divina em cifrões, negando a sua conduta de beneficiar os necessitados, esquecendo o sossegar da dor.

Perdão pelo mau que a terra escondeu diante de tantos erros, porém a justiça acordou e deu o seu grito.

Perdão pelos bons, maus, competentes e incompetentes, ricos e pobres de espírito que enfrentaram a medicina de forma heroica ou negligente, mas que encontraram a curva da vida a sua moeda de verdadeira ou falsa.
Por fim, aceitem este oráculo de perdão, como se fosse um poema, que se por acaso enternece, ama teu médico através da vida, e lembrando dele numa prece. 

Rafael Holanda.

Flatulência das Ovelhas - Causa de 90% do Efeito Estufa na Nova Zelândia

 

Na Nova Zelândia, o clima é temperado, e em dias quentes não passa de 30 graus.


Porém mesmo em dias frios ou nublados, o sol queima como se fosse em alguma praia do Rj em dias de calor de 40 graus. Isso acontece porque os raios UV são muito fortes, devido a um buraco na camada de ozônio, localizado logo em cima da Nova Zelândia.

Decididamente, a Nova Zelândia é a capital mundial das ovelhas. 

Segundo as últimas estatísticas, existirão cerca de quarenta e seis milhões de ovelhas no território. Os habitantes da Nova Zelândia são apenas três milhões e seiscentas mil pessoas, ou seja, existem quase 13 ovelhas por cada pessoa, neste país. Está também contabilizado o gado Bovino, que serão cerca de doze milhões de cabeças.

Mas agora devem estar se perguntando: " O que as ovelhas tem a ver com o buraco na camada de ozônio e os raios UV?"

Bom o que muita gente não imagina é esse motivo.

Cientistas na Nova Zelândia estimam que a flatulência, principalmente arrotos, de veados, ovelhas, bois e bodes é responsável por 90% das emissões de gás metano no país e mais da metade dos gases que provocam o efeito estufa.

O governo da Nova Zelândia quer que os fazendeiros do país paguem o equivalente a US$ 4,9 milhões por ano em um novo imposto para ajudar a reduzir o efeito estufa, causado pela flatulência dos seu rebanho de 54 milhões de cabeças de gado e ovelhas.

Mas os fazendeiros dizem que vão lutar contra a proposta de aumento do impostos.

A iniciativa é parte da ação do governo neozelandês para cumprir as metas assumidas no Protocolo de Kyoto, que trata da redução da emissão de gases responsáveis pelo efeito estufa.

Custos

O dinheiro do imposto será usado para financiar um departamento de pesquisas sobre emissões de gás ligado à agropecuária.

A Nova Zelândia assinou o acordo de Kyoto e concordou em reduzir suas emissões de gases que, segundo pesquisas, seriam uma das principais causas das mudanças climáticas.

Os fazendeiros argumentam que a redução de emissões de gases beneficia a todos e, por isso, os custos deveriam ser distribuídos entre todos os contribuintes.

Arroto e Flatulência

A maior parte das emissões de gases dos animais tem origem nos arrotos e flatulências de ovelhas e vacas que são ricos em gás metano.

O rebanho da Nova Zelândia é de cerca de 46 milhões de ovinos e 9 milhões de bovinos.
O imposto vai custar cerca de US$ 0,05 por ovelha por ano e US$ 0,42 por bovino também por ano.

Veados e bodes também serão tributados, mas porcos e aves - que também contribuem para as emissões de gases - serão isentos.


Pois é, aposto que você nunca imaginou isso né?
Notícias como essa, você tem aqui em primeira mão.

By Marcela B.

terça-feira, 17 de outubro de 2017

O equilíbrio da vida

 

 Machado de Assis

Enquanto uma chora, outra ri; é a lei do mundo, meu rico
senhor; é a perfeição universal. Tudo chorando seria
monótono, tudo rindo cansativo; mas uma boa
distribuição de lágrimas e polcas, soluços e sarabandas,
 acaba por trazer à alma do mundo a variedade
necessária, e faz-se o equilíbrio da vida…
 ----------------------------------------------------------------
Joaquim Maria Machado de Assis (Rio de Janeiro21 de junho de 1839 — Rio de Janeiro, 29 de setembro de 1908) foi um escritor brasileiro, considerado por muitos críticos, estudiosos, escritores e leitores um dos maiores senão o maior nome da literatura do Brasil Escreveu em praticamente todos os gêneros literários, sendo poeta, romancista, cronista, dramaturgo, contista, folhetinista, jornalista e crítico literário.[ Afro-descendente, testemunhou a Abolição da Escravatura e a mudança política no país quando a República substituiu o Império, e foi grande comentador e relator dos eventos político-sociais de sua época.

Na cama

 Carlos Drummond de Andrade

Carlos Drummond de Andrade

(O que se passa na cama
é segredo de quem ama.)

É segredo de quem ama
não conhecer pela rama
gozo que seja profundo,
elaborado na terra
e tão fora deste mundo
que o corpo, encontrando o corpo
e por ele navegando,
atinge a paz de outro horto,
noutro mundo: paz de morto,
nirvana, sono do pênis.

Ai, cama canção de cuna,
dorme, menina, nanana,
dorme onça suçuarana,
dorme cândida vagina,
dorme a última sirena
ou a penúltima… O pênis
dorme, puma, americana
fera exausta. Dorme, fulva
grinalda de tua vulva.

E silenciem os que amam,
entre lençol e cortina
ainda úmidos de sêmen,
estes segredos de cama.

---------------------------------------------
Carlos Drummond de Andrade (1902–1987) foi um poeta brasileiro. "No meio do caminho tinha uma pedra / tinha uma pedra no meio do caminho". Este é um trecho de uma das poesias de Drummond, que marcou o 2º Tempo do Modernismo no Brasil. Foi um dos maiores poetas brasileiros do século XX.

segunda-feira, 16 de outubro de 2017

ELEIÇÕES 2018

 


Para tentar explicar a disputa para os cargos majoritários, senador e governador nas eleições de 2018 em Rondônia vou ter que, recorrer de forma comparativa a mitologia grega, onde, Fênix um pássaro lendário que morria, mas depois de algum tempo renascia das próprias cinzas. 

Segundo a mitologia, fênix, antes de morrer, entrava em combustão, para depois renascer. Por conta disso Fênix tornou-se um símbolo de força, da imortalidade e do renascimento.

Como prováveis candidatos aos cargos majoritários nas eleições de 2018 em Rondônia temos: o ex-senador Expedito Júnior, que de um simples vereador em Rolim de Moura, disputa uma vaga na Câmara Federal e se elege. 

Expedito Júnior assume mas é cassado, na eleição seguinte, disputa novamente e se elege, mas ao disputar a reeleição é bem votado, mas o partido/coligação não atingiu  o coeficiente eleitoral, ganhou mas não levou.

Expedito Júnior mesmo sem mandato. Disputou 

pela quarta vez uma vaga para deputado federal e,  

se elege como o terceiro mais votado. Essa 

expressiva votação o encoraja a disputar uma das 

duas  vaga para o Senado Federal e ao faze-lo 

perde a eleição para o senador Valdir Raupp.   

Mas como Fênix, o pássaro lendário da mitologia grega que morria e depois ressurgia das cinzas e, como apoio do governador Ivo Cassol, que vinha fazendo um bom governo e disputava a reeleição, Júnior tenta mais uma v ez o senadoe dessa vez vai eleito com uma esmagadora votação, mas outra vez é cassado.


Sem mandato e sem ter o que fazer a não ser 

política e, ainda sendo sabedor que não seria o 

candidato do   hoje senador Ivo Cassol  para 

disputar o governo de Rondônia, Expedito Junior  

consciente que a disputa ao senado também não era 

fácil, resolve por conta própria  se lançar candidato 

governador, mas  sem o apoio de Ivo Cassol, 

perde para o Confúcio Moura.


Não satisfeito e acreditando ainda ser Fênix, resolve sozinho enfrentar o Confúcio novamente e, mais uma vez é derrotado. 

Essa segunda disputa parece  que pôs um ponto final na burrice política jamais   vista em  nenhum lugar do mundo. Dois caciques políticos amigos, por problemas pessoais sem justa causa se separarem para o adversário ser eleito.

A trajetória política de Expedito Júnior é um caso a ser estudado em uma tese de Mestrado ou até de Doutorado em Sociologia, pois mesmo sem mandato Expedito Júnior está em primeiro lugar em todas as pesquisas de intenção de votos para eleições de 2018, realizadas até a gora.

Mas como a diferença é pouca do ponto de vista estatístico, ele, Expedito Júnior, ainda não se definiu se sai ao governo ou ao senado.  Sua candidatura está sendo discutida dentro das alcovas.

Daí   dar para se perceber, que ele está usando a mesma técnica que o Emerson Fittipaldi usava na formula um. Esperava os outros cometerem algum tipo de erro ou o carro destes quebrarem e, assim foi tricampeão.

Outro que tem um Histórico parecido com Expedito Júnior é o senador Valdir Raupp, que de vereador de Cacoal se elegeu a prefeito de Rolim de Moura, quando este se emancipou politicamente.

O senador Valdir Raupp a convite  do governador Jerônimo Santana, assumiu a direção do DER e fez um bom trabalho, isso lhe encorajou a sair candidato a governador, perdeu a eleição, voltou para Rolim de Moura, aguardou pacientemente as eleições municipais e disputou novamente o cargo de prefeito e se elege.

Também acreditando   ser Fênix, renuncia o mandato   e resolve disputar o Governo do Estado de Rondônia, se elege, faz um péssimo governo, mas mesmo assim resolve disputar a reeleição.

Perde e sai com mais processos que o Fórum de Santa Luzia na época. Fica na dele e ressurgindo das cinzas como como a ave mitológica se candidata ao Senado Federal e ganha do Expedito Júnior seu ex-pupilo.

Com seu estilo matreiro Valdir Raupp empurra daqui empurra dali e vai se livrando dos seus processos, se candidata à reeleição e é o senador mais votado  em toda história política de Rondônia.

Nas eleições de 2018, Valdir vai ter que disputar a reeleição, mas pelo visto dessa vez não vai ter como dar uma de Fênix, pois quando entrar em combustão a Lava Jato vai entrar em ação e não vai sobra cinzas para ele renascer, digo, para ele se reeleger. 

Pelo o andar da carruagem política para ele se  “salvar”, digo se reeleger para o terceiro mandato de senador vai ter que pedir ajuda ao santo do pau oco. 

Outro que tem um histórico parecido é o senador  Ivo Cassol, que de prefeito de Rolim de Moura por dois mandatos, se elegeu a governador duas vezes e hoje é senador da república.

O senador Ivo Cassol, por birra e teimosia, cometeu dois grandes erros de sua vida política, que foram não apoiar  Expedito Júnior ao governo n\as duas vezes que este disputou o cargo.

Dessa  vez a ficha caiu e tudo indica que os dois estarão junto nas eleições de 2018. Ivo Cassol sabe de cor e salteado, que para   continuar na política e se eleger governador, além da ajuda Justiça Eleitoral, precisa do apoio de Expedito Júnior e vai ter ainda que ser mais que Fênix, vai ter que ser Zeus, o deus supremo do mundo e regente dos deuses do Olimpo. Isso na mitologia grega.

O senador Acir Gurgcz na disputo  ao governo de Rondônia em 2018 não representa uma grande ameaça, pelo menos nesse momento, mas como não tem muito a perder, está com sua candidatura declarada e assumida publicamente e, se não se eleger tem mais quatro anos de mandato como senador. 

O senador Acir também está com o nome sendo investigado, podendo até não ser nem candidato, aí fica fácil para Expedito Júnior.

O deputado estadual Maurão de Carvalho, Presidente da Assembleia Legislativa de Rondônia, não tem a menor chance de vitória em uma disputa ao governo, portanto não vou nem comentar  nada a seu respeito.

Entrevista com Paulo Maluf | Conexão Repórter (15/10/17)


https://youtu.be/2PuqYvrKgMc?t=38

MULHER LOIRA ......, NÃO SEJA CURIOSO, NÃO OLHE

 







O discurso vivo

 


A cidade tinha um orador para todo serviço, o Tomé. Tanto saudava os aniversariantes como enaltecia os defuntos, e não havia Festa da Bandeira ou celebração da Independência em que ele não soltasse o verbo. Verbo potente e impressionante, pois o que distinguia a oratória de Tomé era menos a qualidade do que o volume e duração do som.
Alguns homens com pendores demostênicos tentavam imitá-lo sem êxito. Acabaram desistindo de discursar. Tomé ficou absoluto, e dizem que, alta noite, não tendo solenidade para expandir-se, discursava sozinho. E todos se punham a escutá-lo, na vizinhança.
Por fatalidade, perdeu a voz ao saudar miss Chicória, símbolo do principal produto do município, eleita em concurso disputadíssimo. Não teve remédio senão continuar falando por gestos, e arrebatou o auditório. Tomé, orador mímico daí por diante, ficou ainda mais popular. Nem precisava abrir os braços e a boca. Era o discurso em si, independente de tudo.
Carlos Drummond de Andrade, in Contos plausíveis

Terra de homens valentes

 

Caucaia é uma cidade da área metropolitana de Fortaleza que tem lindas praias. Cumbuco, com suas imensas dunas, Tabuba e muitas outras. Todas muito famosas e procuradas nos fins de semana. Mas, a cidade também é famosa por outro motivo, nada edificante, a valentia, ou melhor, a violência dos seus habitantes, principalmente do sexo masculino.
Contam que um dia chegou um alagoano, metido a valente, disposto a botar à prova a valentia dos homens da terra. Foi chegando e perguntado onde ficava o bar mais freqüentado da cidade. Lá chegando, de pronto perguntou a um caboclo de aparência pacata que tomava a sua pinga, encostado no balcão:
- Então aqui é terra de homem valente?... E onde estão os homens valentes desta terra, que eu não vejo?...
O caboclo sorveu calmamente a pinga, e antes de levar o tira-gosto à boca disse humildemente:
- Aqui não tem homem valente não seu moço, quando aparece um assim que nem o senhor, a gente mata!...

Direitos

 

Millôr Fernandes

O direito de cada um termina quando o outro reage ou chama a polícia.
O direito de cada um termina onde começa o direito alheio. Isso deve ser sempre lembrado pelos mais fracos, porque é o primeiro princípio de direito apagado pela amnésia na memória dos mais fortes.
E Esaú vendeu seus direitos de primogênito por um prato de lentilhas, homologando os royalties.
Todo homem tem o sagrado direito de torcer pelo Vasco na arquibancada do Flamengo.
O direito de resposta é fundamental. Senão a gente fica até pensando que o outro lado pode ter razão.
Todo homem tem o direito inalienável à vida e à liberdade, exceto em ocasiões excepcionais, como catástrofes de âmbito nacional, abalos de amplitude internacional, modificações das instituições, ameaças incontroláveis, falta de teto nos aeroportos, movimentos subterrâneos, engarrafamentos de tráfego, congestionamentos de linhas telefônicas, chuva grossa, crises econômico-financeiras, construção de metrôs, pontos facultativos obrigatórios e mau humor permanente da velhinha no guichê.
O problema do direito de ir e vir é que tem sempre um chato que teima em ficar.
------------------------------------------------------------------------------------------

Millôr Fernandes

Millôr Fernandes nasce no Rio de Janeiro, no dia 16 de agosto de 1923. Filho do engenheiro Francisco Fernandes e de Maria Viola Fernandes, por erro de caligrafia do tabelião, seu nome que deveria ser Milton, foi registrado Millôr. Ficou órfão de pai aos dois anos e de mãe aos 12 sendo criado pelos tios.
Com 15 anos começa a trabalhar na revista O Cruzeiro, como repaginador e contínuo. Com 16 anos, teve a primeira oportunidade de exibir seu talento, foi convocado a preencher uma lacuna de publicidade em quatro páginas da revista A Cigarra. Ao conjunto do trabalho ele deu o nome de Poste-Escrito. Assinava com o pseudônimo de “Vão Gôgo”. Em 1943 volta para a revista O Cruzeiro.
Em 1946, faz sua estreia literária com o livro Eva sem Costela - um livro em defesa do homem, e sete anos depois é montada sua primeira peça de teatro, Uma Mulher em Três Atos. Sua coluna “O Pif-Paf”, que depois vira revista, foi considerada uma das pioneiras da imprensa alternativa. Quatro anos depois participa da fundação do jornal O Pasquim, o tabloide incendiário que fustigava a ditadura militar.
Millôr tem mais de 40 títulos publicados, Como dramaturgo, alcançou sucessos como Liberdade, Liberdade (em parceria com Flávio Rangel). Como artista gráfico teve trabalhos expostos em várias galerias de arte do Rio de Janeiro e no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Fez roteiros de filmes, programas de televisão, shows e musicais e foi um dos mais solicitados tradutores de teatro do país. Irônico, polêmico, com seus textos (aforismos, epigramas, ironia, duplos sentidos e trocadilhos) e seus desenhos, foi um gênio de sua arte. Faleceu no Rio de Janeiro, no dia 27 de março de 2012.

POR - Mário Silvio Pereira em 08/10/17


Sobre o comentário do ilustre Fernando Garcia, dando 
conta da intenção de nossa cúpula política municipal em
 querer instalar a nova prefeitura na Praça 5 de agosto: 
INSANIDADE PURA Não consigo encontrar outras
 palavras para designar tal intenção. Senhores, vamos
 ser racionais. Rolim de Moura tem enormes espaços 
pseudo utilizados apenas com grama na avenida 25 de 
agosto. É simplesmente loucura destruir o único espaço
 minimamente decente que temos como cartão postal de 
nossa cidade para instalar ali a nova sede da prefeitura. 
Teremos, caso essa insanidade se concretize, muito em
 breve enormes dificuldades com a quantidade de
 veículos que permanecem estacionados próximo da
prefeitura, o que será um fator extremamente 
complicador para quem precisar circular naquelas
 imediações, com vistas a resolver algo no comércio ou
 nos bancos, além de perdermos um espaço magnífico. 
Porque não fazem essa nova prefeitura no canteiro em
 frente ao TIGRÃO? Naquele espaço não seremos 
penalizados com em POR - FERNANDO GARCIA

Horário de verão 2017 começa domingo em 10 estados e no Distrito Federal

O horário de verão de 2017 começa na primeira hora do próximo domingo (15). À meia-noite de sábado, os moradores de 10 estados e do Distrito Federal devem adiantar o relógio em uma hora.
O ajuste vale para as regiões Sudeste, Sul e Centro-Oeste (São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Espírito Santo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Distrito Federal) e vigora até 18 de fevereiro do ano que vem.
Com isso, o horário no leste do Amazonas e nos estados de Roraima e Rondônia fica duas horas atrasado em relação ao de Brasília, enquanto oeste do Amazonas e Acre ficam três horas atrás.
O horário de verão foi instituído com o objetivo economizar energia no país em função do maior aproveitamento do período de luz solar.
A medida foi utilizada pela primeira vez em 1931 e depois em outros anos, sem regularidade. Em 2008, ganhou caráter permanente e passou a vigorar do terceiro domingo de outubro até o terceiro domingo de fevereiro do ano seguinte.
Correio do Estado

domingo, 15 de outubro de 2017

País dos privilégios

Míriam Leitão, O Globo
O Brasil cria mais privilégios a cada semana. Na quarta-feira, o STF demonstrou que, se for o senador Aécio Neves que estiver em questão, pode-se ter uma interpretação ambígua até sobre os poderes do Supremo. Na sexta-feira, o Planalto pediu ao STF para revogar a prisão após a condenação em segunda instância, um dos raros avanços nos últimos anos sobre o velho problema do país.
O tratamento desigual é o centro dos erros brasileiros, mas isso é reafirmado constantemente. Pobres e anônimos vão presos após qualquer condenação, ou passam anos detidos sem sequer culpa formada.

Dia do Professor: profissão desperta cada vez menos o interesse de jovens

Dia dos Professores é comemorado no Brasil anualmente em 15 de outubro.
Esta data foi oficializada nacionalmente como feriado escolar através do Decreto Federal nº 52.682, de 14 de outubro de 1963.
O Decreto define a razão do feriado: "Para comemorar condignamente o Dia dos Professores, os estabelecimentos de ensino farão promover solenidades, em que se enalteça a função do mestre na sociedade moderna, fazendo participar os alunos e as famílias".
A comemoração começou em São Paulo, onde quatro professores tiveram a ideia de organizar um dia de parada para comemorar esta data, e também traçar novos rumos para o próximo ano.
Levantamento do Todos Pela Educação indica que a cada 100 jovens que ingressam em cursos de pedagogia e licenciatura no Brasil, a cada 100 jovens que ingressam nos cursos de pedagogia e licenciatura no Brasil, apenas 51 concluem o curso. Entre os que chegam ao final do bacharelado, só 27 manifestam interesse em seguir carreira no magistério. As informações foram levantadas pelo movimento Todos Pela Educação, com base em dados do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), e divulgadas por ocasião do Dia do Professor .
“Temos um apagão de professores, principalmente pela desvalorização. A gente já atrai pouco e, dos que vão para a formação inicial, poucos permanecem na carreira. E não se consegue ter uma área de atuação que atraia os melhores alunos do ensino médio”, diz a presidente executiva do Todos Pela Educação, Priscila Cruz.